9 MILHÕES DE CORAÇÕES AZUIS AINDA NA UTI

  • por em 8 de setembro de 2020

Gustavo Aleixo/Cruzeiro/Flickr

Sonhei, durante o dia ontem, com 3 x 0, 4 x 1. Qualquer placar folgado, que nos tirasse da habitual UTI no segundo tempo. Estivemos perto. Na minha apedrejada opinião, foi o melhor desempenho do Cruzeiro nestes últimos jogos. Mas tomamos Bomba nos dez minutos finais. Pudemos ver jogadas bem construídas, agudas, no último terço do campo. Não tivemos aqueles chutes a gol completamente descalibrados. Também não aconteceram aqueles passes espíritas que procuravam fantasmas.

Em 80 minutos de jogo, só uma jogada perigosa do CRB. Fabio praticamente não foi exigido. O segundo gol, que nos daria tranquilidade, pintou, pintou e não aconteceu. Pela fase que estamos vivendo a gente tinha medo de ver o gol de empate numa jogada de bola espirrada, maluca. Não aconteceu assim, mas foi parecido.

Outra noite pra Rivotril.

 Mas impossível não reconhecer que melhoramos. Em várias posições já temos titulares.  E vem estreia por aí.

O juiz Heber Roberto Lopes, por um trauma que nem Freud explica, continua prejudicando o Cruzeiro. Não comete assalto a mão armada. Fica nas contravenções penais. Mas todo lance duvidoso, decide contra nós. Ontem, no início do segundo tempo, jogador do CRB já amarelado, cometeu falta que seria para novo amarelo ou vermelho direto. Ganhou cartão de crédito, segundo o Marcio Resende de Freitas. Se fosse do Cruzeiro…

Para registrar aqui, gostaria de ter os nomes dos torcedores que na manhã de ontem fizeram manifestação pacífica no portão da Toca 2. Alguns doam sangue. Outros doam órgãos. Esses torcedores foram doar confiança, entusiasmo, fé e esperança. Eles merecem toda a nossa homenagem, porque vimos o resultado disto, em campo. Sem dúvida, será assim nos 30 jogos que ainda faltam para o Campeonato acabar.

A romaria que os jogadores fizeram para abraçar Enderson Moreira após o gol de Marcelo Moreno revela a carga emocional que estão suportando. Esta pressão justifica tantos passes errados. E até a jogada desastrosa do empate.

Temos ainda 90 pontos para disputar. Há 10 razões para trocarmos o técnico. E há 10 razões para mantê-lo.

Você faria o quê?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments