APRENDENDO COM A DOR

  • por em 11 de maio de 2021

Gustavo Aleixo/Cruzeiro/Flickr

Horrível perder, mas era necessário um teste deste gabarito pra saber como estamos. Aonde podemos chegar. Em verdade, dos quatro tempos, jogamos bem apenas o primeiro tempo do primeiro jogo. Os outros três foram dominados pelo América que, ao contrário do reclamado por Felipe Conceição, não foi beneficiado pela arbitragem. Frutos de jogadas infantis, lamentáveis, os dois pênaltis aconteceram, sem dúvida.

Apesar de tudo, estamos progredindo, sim, comparando com um ano atrás. Mas precisamos melhorar muito ainda, para a Copa do Brasil e a Série B. A urgência urgentíssima continua sendo a armação, a construção de jogadas agudas que possam resultar em gols. Novas peças precisam ser testadas, outras mudadas de posição. Teremos duas semanas livres para aprender. Experimentar. Testar finalizações. No fim do mês começará a Série B, contra o Confiança, em Sergipe. No início de junho a terceira fase da Copa do Brasil, com dois jogos contra o Juazeirense, da Bahia.

Felipe Conceição precisa voltar a ver o mesmo jogo que a torcida vê e aproveitar essas duas semanas para montar o Cruzeiro que disputará títulos nacionais. Se já tivéssemos alcançado um nível pelo menos razoável nos itens armação/finalização, o primeiro tempo do primeiro jogo contra o América teria terminado no mínimo 4 x 1, assegurando praticamente a nossa classificação.

O nosso treinador pode ainda não saber o que dará certo, mas tomara que já saiba o que não dá mesmo! Chega de gastar vela com mau defunto. Chega de insistir com quem não acrescenta nada. Chega de mais do mesmo.

Vamos aproveitar estas duas semanas?

Agora é pra valer. E é sempre difícil trocar pneu com o carro em movimento.

BATE PAPO NO QUINTAL

1. Dois treinadores pisando na bolaDepois do jogo de domingo, Lisca e Felipe Conceição combinaram de perder ponto, juntos. O primeiro, apequenando a vitória ao cantar no vestiário refrãos que colocavam Felipe Conceição como “freguês”. E este, por culpar a arbitragem pela derrota, como se não houvessem VAR, bolas na trave, domínio territorial e maior volume de jogo incisivo do América em 70/80% da partida.

2. O LAMENTÁVEL CASO MESSINHO – Nota Oficial do Cruzeiro, divulgada no fim de semana, põe melancólico ponto final em 3 anos de sonhos da Nação Azul em ver mais um fora de série vestindo a camisa mais bonita do Brasil.  Estevão Willian chegou aos 11 anos, não como um diamante a ser burilado. Já brilhava intensamente. Faltavam-lhe apenas dois requisitos: idade e corpo. O tempo resolveria ambos.

Com ressalva para o que poderia ter sido feito através do que é agora apontado pelo MCFFB – Movimento dos Clubes Formadores do Futebol Brasileiro, a legislação brasileira não permite vínculo contratual com atletas antes dos 14 anos e, assim, o remédio é “prender” o pai com as seduções possíveis: agrados, emprego, casa, dinheiro. Mas, em quais medidas? Não há limites, pois não há também garantia legal de retorno do investimento. Gaviões sobrevoam. O terreno é minado. Ivo Gonçalves, o pai do menino, sai do salário mínimo ou perto dele e, sem trabalhar, é convidado a dizer quanto quer receber por mês. Entra num mundo novo no qual caráter, honra, dignidade até se escondem ante a presença ostensiva da esperteza, da fraude, sob o consolo moral de que “o fim justifica os meios”.

Há um provérbio popular que adverte: “O bom bocado não é para quem faz e sim para quem come”.

O Cruzeiro fez, o Palmeiras comeu.

Mas veja os nomes dos atores envolvidos desde o primeiro ato nessa ópera bufa, aqui e em São Paulo.

O estômago embrulha.

3. guioday rodrigues retorna pra corrigir um equívoco e dar outro tiro no pé:

1) O codinome do Cruzeiro “La Bestia” surgiu não no Chile, mas no Paraguai, após vitória histórica do Cruzeiro sobre o Olímpia. Não importa. Ainda assim, permanece a nossa observação: não tivesse o Cruzeiro, já então, um passado glorioso, o codinome poderia ser “La Zebra” ou “El Inesperado”. Concorda?

2) “Dalai ficou muito tempo falando que o Galo vendeu o estádio ao Governo e tirou vantagem do DINHEIRO PUBLICO e que o FALIDÃO BI REBAIXADO ‘NUNCA’ fez. Agora negocia para receber uns 40 milhões de DINHEIRO PUBLICO. Essa é a melhor qualidade deste mundo: Ele dá Voltas. Kkkkkkk”.

Calma, guioday. Vamos aguardar se o Cruzeiro vai receber duas vezes pelo prédio.

4. Marcelo indo direto ao ponto: “Como laboratório para o feito mais importante que é a volta à elite, o campeonato nos deu muitos alertas. Precisamos de mais qualidade e quantidade. ” Concordo. Na coluna de hoje insisto neste ponto lembrando ainda que temos as duas últimas semanas livres para treinamento. Torcendo para que Felipe Conceição não perca mais esse preciosíssimo tempo com foguetes molhados.

5. Eduardo galão da massa-1, radical pela paixão atleticana, vê realidade na fantasia que a imaginação vai concebendo. Por exemplo, o Atlético sempre foi maior que o Cruzeiro; não houve 50 anos de bullying. E explica, para o blogueiro e o resto do mundo: 

 “Para vc entender melhor, é como aquele irmão mais novo, que estuda, tira nota boa, se esforça, mas é arrogante demais… se acha demais…

E o queridinho da mamãe é o mais velho, gente boa, humilde que todo mundo gosta. ”

Eduardo, cuidado, o subconsciente é um perigo:

Podemos traduzir “que estuda, tira nota boa e se esforça” como “tetracampeão brasileiro, bicampeão da Libertadores e hexacampeão da Copa do Brasil”?

6 Eduardo galão da massa-2 confessa ter ouvido “uns 2 ou 3 tiros…coisa pouca”, após a vitória do América. E dá uma estocada:

“Fiquei lembrando da sua colocação e venho aqui, humildemente, pedir que o sr. esclareça como eu diferencio um foguete atleticano, americano ou cruzeirense; seria pelo som? Ou por alguma fumaça que o foguete solta? Como o sr. tem essa habilidade de identificar, poderia nos ensinar. ”

Facílimo Eduardo: Se o Atlético não está jogando e o Cruzeiro se ferrou em qualquer lugar do mundo, espocam foguetes atleticanos; se o Cruzeiro não está jogando e o Atlético é eliminado pelo Afogados da Ingazeira, espocam foguetes…

7. João De Deus Filho, impiedoso, prevê futuro amargo para o Cruzeiro nos próximos 100 ou 200 anos, sendo ultrapassado também pelo América, a Caldense, o Tombense… se bobear, até o Venda Nova…

João, tanta mágoa conseguiu sombrear ideias até do nosso guru da racionalidade: você está se esquecendo de contabilizar o patrimônio metafísico do Cruzeiro: a sua história, a sua torcida, esta força de alma, quase palpável, de ser cruzeirense. Isto remove montanhas. Isto vai reconstruir o que hoje está realmente no chão.

8. Galo Doido New York, fazendo coro com João De Deus, prevê 100 anos de vacas magras para o Cruzeiro e observa que o Atlético, nem nos seus piores momentos, esteve em situação semelhante.

“O fim está cada vez mais perto”, vaticina ele, e dá tiro de misericórdia: “Tanto o time como os torcedores do falidão azul são motivo de chacota. ”

Menos, Galo Doido. Leia nossa réplica a João De Deus e me responda, por favor: nesse quadro realmente preocupante, como explicar que a torcida do Cruzeiro está crescendo mais que a atleticana? Se me permitir, eu respondo: A força do passado garantindo o futuro apesar do presente.

9. Rei Melo, tal como milhões de cruzeirenses, aceitando como lógico o resultado do jogo contra o América, pela grande diferença de ritmo entre as duas equipes. Com razão, bate-se por mudanças objetivas, especialmente a saída de peças até agora inoperantes. Teremos quase três semanas para treinos antes do início da Série B e da nova fase da Copa do Brasil. É a última chance de reaprendermos a finalizar e marcar gols.

10. Sem Paciência, formando com João De Deus Filho e Galo Doido New York um trio atacante pra moer o Cruzeiro. A tática é a mesma: pinta o inferno pra nós e o céu pra eles. Haja sonhos e pragas.

Meu caro Sem Paciência, não subestime o patrimônio metafísico do Cruzeiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments