EDIÇÃO EXTRA DO QUINTAL: CABEÇA FRIA É UMA PEDRA!

  • por em 1 de dezembro de 2020

Reprodução

“Desesperar, jamais!

Aprendemos muito nesses anos.

Afinal de contas não tem cabimento entregar o jogo no primeiro tempo.

Nada de correr da raia;

Nada de morrer na praia;

No balanço de perdas e danos já tivemos muitos desenganos;

Já tivemos muito que chorar

Mas agora acho que chegou a hora de fazer valer o dito popular

Desesperar jamais

Cutucou por baixo, o de cima cai

Desesperar jamais

Cutucou com jeito, não levanta mais”.

O resultado da eleição de ontem à noite, para a Mesa do Conselho Deliberativo, está provocando uma série de reações em cadeia em vários grupos sociais. Correntes defendendo protestos violentos, conclamando rasgar carteiras de sócio, boicotar produtos de patrocinadores, cessando qualquer participação positiva para o Clube, como a campanha dos centavos.

Calma, por favor.

Se não estamos gostando do vôo, matar o piloto só vai fazer o avião cair.

Temos de ter consciência de que estamos todos em um Boeing, a 12 mil metros de altura. O gênio de Gonzaguinha nos dá a dica valiosa numa situação desta: desesperar jamais. Se me permitem, vou dar o meu palpite: Em primeiro lugar, vamos aceitar o resultado. É um fato e não se deve brigar contra fatos.

Em segundo, reconhecer que a estratégia de Paulo Pedrosa e companheiros, espremendo a eleição entre 18 e 20h, em pleno rush e no auge do ressurgimento do Covid 19, foi um sedutor convite para manter em casa a maioria de nossos conselheiros, que contam entre 60 e 90 anos. Imoral, mas legal.

Com isto, do universo de 450 conselheiros, apenas 278 compareceram. 154 votaram em Nagib, 120 em Baroni.

Isto é um fato e não adianta lutar contra ele.

Seguindo a lição de Gonzaguinha, “desesperar, jamais”. Uma Mesa diretora do Conselho Deliberativo, mesmo que venha a ter o apoio da presidência do Clube, pode muito, mas não pode tudo. A grande força decisória para uma gama enorme de temas no Cruzeiro é a maioria dos conselheiros. Esta, sim, decide.

Dos 35 grupos sociais azuis de que tenho a hora de participar, a maioria está me espancando hoje, sob a acusação de que estou “em cima do muro” com relação a essa eleição.

Vou descer do muro. 9 Conselheiros Beneméritos votaram ontem:

Dalai, Sergio Rodrigues, José Ramos, Alvimar, Lidson, João Carlos, Wilmer, Pedrosa e Gilvan.

Nagib, nesta urna exclusiva dos beneméritos, teve cinco votos; Baroni teve 3, e houve um voto nulo.

Eu votei no Baroni.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments