O CÉU ESTÁ EM FESTA

  • Avatar
  • por em 24 de março de 2021

Arquivo pessoal/Pablito

De repente, tudo ficou menor, sem importância. O comandante da emoção, o cara atrevido de coração na boca, alma transparente, Pablito não volta para o segundo tempo.

Em campo, esbanjou coragem pra reforçar frentes de batalha. Sem descuidar de guerrilhas, emboscadas, minas camufladas por bandidos em todos os cantos do mundo azul.

O seu normal era estar de plantão, pelo time ou pelo companheiro. Generoso. Solidário. Valente.

Esse jeito especial foi pincelado ontem nos grupos sociais, em mil historietas recordadas. Gente que, como eu, teve a sorte de ver o seu caminho cruzar com Pablito.

Era fácil gostar dele.

Será difícil não contar com ele.

BATE PAPO NO QUINTAL

1. Marcelo subscreve nossa análise sobre o jogo contra o América, porem faz um doloroso alerta: o treinador é o mesmo que a gente já admirava. Mas o material que tem em mãos é difícil de dar liga. “Começo a desconfiar de que as peças não são do tamanho que a camisa azul exige. ” Em verdade, a cada jogo a gente desconfia mais. Qualidade técnica é artigo raríssimo no time. Não conseguimos dar três passes em sequência. Fazer falta é a nossa primeira opção, quando tentamos tomar a bola do adversário. Apesar dos pesares, e com a sutileza de beija-flor construindo ninho, Marcelo dá fina estocada no outro lado da lagoa: “Há times menores que conseguem até se segurar na primeira divisão jogando com “mexericas”…

2. lúcio soares pensa da mesma forma e pontua algo ainda mais grave: “Vimos uma involução do time”. Também vi. Estamos andando pra trás. O time do primeiro tempo contra o América foi apenas horroroso. E, mais grave, surgiu depois de uma semana cheia para treinamentos. Agora teremos 10 dias. Será que Fabio ou Manoel aparecerão com a camisa 10?

3. João de Deus Filho causando surpresa neste QUINTAL. Reiteradamente apontado como um dos poucos atleticanos com os pés no chão, revela que há cinco meses, em face de grave acidente fraturou o tornozelo, “tendo ficado 5 meses sem poder pôr o pé no chão…” Leia-se: com apenas um pé no chão, João consegue ganhar em racionalidade e prudência de muitos outros companheiros. Permito-me apenas um reparo em seu comentário: é covardia comparar a reação dos torcedores quando Atlético e, depois, Cruzeiro caíram para a B. Situações diametralmente opostas.

4. Rei Melo me fuzila de nossa própria cozinha: “o senhor nunca vai no assunto time sempre se esquiva. Gosta de render assunto bobo de ranking, bla, bla, bla, enquanto poderia estar pelo menos tentando apontar os erros, que todo mundo sabe onde estão.” Acho que você tem razão: não tenho conseguido mostrar, com eficiência, as deficiências do time. Se conseguisse, por certo Felipe Conceição jamais escalaria Ruschel de armador, deixando no banco Sóbis, Pottker, Marcinho e Claudinho. Um horror. Ele e nós.

5. Galo Doido New York, alegando que jamais consultou Mãe Dinah pra ter acesso à senha de Einstein, recorreu ao Conselho de Sábios e teve cancelado o Cartão Amarelo. A VARJ opinou favoravelmente, após ouvir Mãe Dinah em tele audiência. A famosa astróloga foi enfática: sou do Alto São Francisco, nasci e vivi em Bom Despacho, jamais atendi ninguém do subúrbio.

6. Jorge credenciando-se a integrar a turma do Porta dos Fundos, solta boas piadas sobre o Cruzeiro, com destaque para a nossa diferença com o dente de leite, que só cai uma vez…

Gozeiras quase iguais aquelas que, por 50 anos, fizeram a nossa festa contra os atleticanos.

7. Sem Paciência, peppeu, Augusto, Canarinhos no Sótão, Realves Alves e roster nos encurralando no corner e desfechando golpes violentos de direita e esquerda. Já apanharam muito da gente, têm todo direito de revide. Batam, sim, sem dó nem piedade, aproveitando o momento de absoluta disparidade de situação. Mas não se esqueçam: a roda gira.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments