ESTA NOITE, UM PASSO A MAIS!

  • por em 19 de setembro de 2020

Bruno Haddad/Flickr/Cruzeiro

Pela primeira vez, Ney Franco teve uma semana cheia para treinamentos e as notícias são animadoras. Adiantando uma peça, reposicionando outra, recompondo o meio e apurando jogadas, o treinador não promete, porque não é o seu estilo, mas induz a nossa expectativa de um jogo diferente hoje à noite contra o CSA, em Maceió.

9 milhões de técnicos, que somos todos nós integrantes da Nação Azul, queremos pouco: um mínimo de padrão de jogo, troca de passes verticalizados no campo adversário e alguma coisa ensaiada na hora do escanteio ou de cobrança de falta. Ainda estamos em formação de um time e há bons reforços para estrear. Mas mesmo o elenco atual está entregando menos do que pode.Com um mínimo de observação, vê-se que os jogadores são melhores do que mostram em campo e isto se deve à natural ansiedade. A bola queima os pés. São na maioria jovens de 18/20 anos, carregando o peso de vestir uma camisa consagrada, e ainda abalados com frequência por notícias policiais envolvendo antigos dirigentes. É óbvio que essa tensão entra em campo.

Quem deveria liderar, administrar, está preocupado em fugir da Polícia.  Ao mesmo tempo, pelas redes sociais, toneladas de “brincadeiras” ofensivas que, todo dia, machucam a alma. Já fizemos isto também, com o nosso rival. Nem percebíamos o quanto isto dói.  E foi durante muito tempo. Agora é a vez deles, espero que por pouco tempo. Mas como explicar isto para um menino, nascido ontem, que está em campo, defendendo o manto azul?

BATE PAPO NO QUINTAL

1. Felizmente, na madrugada de quinta-feira, o CSA demitiu o técnico Argel Fucks, após um empate e 3 derrotas, em 18 dias no cargo. Nunca vi um treinador dar tanta sorte contra o Cruzeiro. Qualquer timinho que ele armasse de última hora vinha aqui e complicava pra gente.

2. Depois da partida de hoje, teremos dois jogos no Mineirão: sexta, contra o Avaí e quarta, dia 30, contra a Ponte Preta. Céu de brigadeiro, à vista.

3.Sobre a Balança de Dois Pratos, leitores me lembram, com razão, uma outra metáfora de vida: A CONTA CORRENTE. Nas nossas relações, há uma conta bancária, oculta, às vezes até inconsciente. Todas as pessoas com quem convivemos, familiar, comercial ou amistosamente têm conosco esta conta de crédito e de débito. Também temos com elas. Boas ações são depósito. As más são débito. Veja você, leitor: o quanto está devendo a algumas pessoas. E quanto, outras, geralmente “caras de pau”, devem a você. A paciência, que tem limites, uma hora estoura contra quem só faz saques.

4. Ainda sobre a Balança, me perguntam se, como Juiz, aconselhava a separação quando, por 10, 15 ou 20 anos, só o prato das maldades pesava. Sem dúvida!

E tinha frases prontas: ” Não se salga carne podre”; “Não se carrega mau defunto”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments