Infelizmente não venderemos o imóvel

  • por em 15 de julho de 2020

Já tentou tampar o sol com peneira? Impossível!

Rua das Canárias, 169, antiga Campestre 2

Já tentou tampar o sol com peneira? Impossível!

O mesmo acontece com os fatos. Não há argumentos contra eles. Nas últimas horas venho recebendo centenas de questionamentos de grupos sociais ante o edital publicado ontem pela Mesa do Conselho Deliberativo para assembleia extraordinária, convocada para 3 de agosto, visando autorização para venda de nosso imóvel, hoje estacionamento, situado em frente à Sede Campestre da Pampulha.

Querer vender, todos que amam o Cruzeiro querem, ante as dificuldades prementes que enfrentamos, principalmente com a dívida FIFA, citada no edital.

No dia 3 de agosto eu estaria no nosso plenário do Barro Preto, com dois propósitos: contribuir para o quórum dificílimo de 9/10 dos Conselheiros e dizer sim ao pedido de autorização para a venda.

Infelizmente, não conseguiremos esse propósito por uma série de óbices. Os três principais são:

1 CORONAVÍRUS – Em pleno pico da pandemia, conseguiremos aprovação das autoridades sanitárias municipais para reunirmos cerca de 400 conselheiros no Plenário? Para realizar as eleições de 22 de maio último, consegui esta autorização prévia, mas cumprindo uma série de exigências, inclusive a presença escalonada dos eleitores.

2 QUORUM DE 9/10 – O art. 20, VI do Estatuto enumera as unidades para as quais a venda só pode se realizar com a aprovação de pelo menos 90% dos conselheiros inscritos. Ou seja, se hoje somos 480, será obrigatória a presença e o voto sim, de 432 conselheiros. Essas unidades estão assim relacionadas, ipsis literis: “Parque Esportivo do Barro Preto, o Centro Administrativo, as Sedes Campestres, a Toca da Raposa I e a II”. Uma leitura apressada concluirá que a área de estacionamento não consta ali e poderia ser colocada à venda, com quórum simples de conselheiros, como parece ser o propósito dos atuais dirigentes.

Não é assim.

Esta área, desde sempre, é conhecida como “Campestre – 2”, pois o objetivo inicial era implementar ali mais opções de lazer para o sócio. Com o tempo, foi se transformando no estacionamento que é hoje.

Vista aérea

Na relação de unidades transcrita no item VI, vê-se que há menção expressa ao Parque Esportivo do Barro Preto. Óbvio, então, que quando se fala, no plural, em Sedes Campestres, não está se referindo ao Barro Preto, pois já foi mencionado. É intransponível a conclusão de que se refere, sim, à área localizada na rua das Canárias, 169, a antiga Campestre 2. E sua alienação exige o quórum qualificadíssimo de presença e aprovação de 90% dos conselheiros.

3 AÇÃO BLOQUEADORA DE CREDORES – Quando, após o tsunami que devastou o Cruzeiro assumi a presidência interina em fins de dezembro último, dois fatos me despertaram a atenção: a imediata e comovente solidariedade da torcida, querendo expressar em doações o seu apoio, e a vigilância dos credores sedentos para se apropriarem de qualquer valor que entrasse em nosso caixa. Muitas quantias foram bloqueadas ainda em poder de quem iria nos pagar.

“Abram uma conta, divulguem prá nós, e vocês verão o que é a China Azul”, diziam as torcidas da Capital e dezenas de regiões mineiras, traumatizadas ante o desastre administrativo ocorrido no Cruzeiro. E nós não podíamos abrir conta bancária porque o bloqueio judicial era instantâneo.

O que você acha, meu caro cruzeirense, que farão estes credores quando sentirem o cheiro de dinheiro alto entrando?

EM RESUMO: Precisamos, sim, de fazer dinheiro o mais rápido possível. Para isto, vamos continuar essa animadora adesão aos novos programas de sócio torcedor, incentivando amigos e grupos a participarem. E, principalmente, vamos procurar vender jogadores ou imóveis. Mas do jeito certo. O que o Cruzeiro menos precisa hoje é de novas decepções.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments